Dr. Osvandré Lech Ortopedista Especializado
Em Membro Superior
Entre em Contato
Dr. Osvandré Lech
Entre em contato
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Porto Alegre
Consultas em Porto Alegre


MENU
O CINTO DE SEGURANÇA: O MESMISMO DO TEMA... OU A DESGRAÇA CONTINUA?

TODOS NOS APRECIAMOS "NOVOS TEMAS". A MODA AGORA É ECOLOGIA, DIREITOS DO CONSUMIDOR, SAÚDE. TEMAS TAIS COMO CINTO DE SEGURANÇA, José Sarney ou amanhecer de porre fazem parte do passado.

Porque lembrar o já desgastado assunto sobre o cinto de segurança? Certamente todos nó sabemos que:
1)
o cinto é o acessório de maior segurança no automóvel, depois das rodas e do freio;
2)
a "postura defensiva" é um trinômio formado pelo carro em ordem, indivíduo em ordem e o cinto;
3) qualquer cidadão de país desenvolvido usa cinto MESMO NO PERÍMETRO URBANO. Na prática, houve um decréscimo de 40% das mortes em acidentes, e os ferimentos são de menor gravidade;
4) no Brasil ocorrem cerca de 50 mil mortes no trânsito por ano - uma a cada 13 minutos. A faixa etária média é de 33 anos. O trânsito é a terceira causa mortis no país, perdendo apenas para as doenças cardiovasculares e o câncer. O flagelo só é comparado à guerra ou a catástrofes;
5) 63% dos leitos hospitalares destinados à traumatologia são ocupados por vítimas de acidentes de trânsito, que somam 350 mil/ano. Na prática, no gastamos todos os anos U$ 4 bilhões em prejuízos materiais e sociais.

Várias campanhas publicitárias já ensinaram muito sobre o tema:
1) mais da metade dos acidentes de trânsito com morte ocorrem a velocidade igual ou inferior a 64 km/h;
2) 65% dos acidentes fatais e 80% dos acidente em geral ocorre num raio de 40km do local de residência das vítimas;
3) o impacto numa velocidade de 50km/h será igual a queda do 4º andar de um prédio - o cinto ameniza em 70% este impacto;
4) acidentes que envolvem incêndio ou queda na água são apenas 0,5% do total. O cinto evitará que o indivíduo bata a cabeça, permitindo raciocinar com rapidez. Portanto, em ambas as situações, o cinto é uma garantia e não uma ameaça;
5) as grandes inverdades que felizmente começam a ser esclarecidas - "é melhor ser arremessado para fora do carro", "o cinto é desconfortável", o "cinto pode ferir ao invés de proteger", "o cinto é dispensável quando o motorista é cauteloso e respeita as leis", "ACIDENTE NUNCA ACONTECE COMIGO"...

Realizei o meu aprendizado em traumatologia e ortopedia sob a linha mestra do atendimento ao politraumatizado do trânsito. Passada uma década, o retrocede, já que está novamente lutando contra a cólera, dengue etc.? A questão do acidente de trânsito vai piorar?

A busca de soluções eficazes não se prende, felizmente, ao recurso da greve, à espera de subsídios do Governo, ou muito menos à crítica simples ao tema. Para início de conversa, perguntas simples devem ser respondidas afirmativamente: eu uso o cinto de segurança? E os passageiros do banco de trás do meu automóvel? Eu compreendo o significado social do seu uso? Colaboro com a educação da comunidade através da educação do tema?

Desta forma, com o mesmismo do tema a desgraça não continuará. (Revista da Unimed e Amrigs (RNA), abr./maio 1991)




Veja Também:









































Passo Fundo
Rua Uruguai, 2050
Fone: (54) 3045.2000
Porto Alegre
Rua Leopoldo Bier, 825/401
Fone: (51) 3219.2273
Ortopedista e Traumatologista
Especializado em Membro Superior
Ombro, cotovelo, mão e microcirurgia
© Copyright 2017 www.lech.med.br
Todos os Direitos Reservados
VIPWEB Soluções em Tecnologia