Dr. Osvandré Lech Ortopedista Especializado
Em Membro Superior
Entre em Contato
Dr. Osvandré Lech
Entre em contato
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Porto Alegre
Consultas em Porto Alegre


MENU
ENTREVISTA COM PROFISSIONAL DA SAÚDE
LA - Defina o profissional que você é?
Osvandré Lech - Nas respostas acima eu fui suficientemente honesto para ser melhor conhecido. Gostaria de ser lembrado como um indivíduo idealizador que não vê dificuldades, mas desafios pela frente e um médico com a habilidade manual a serviço da cirurgia reabilitadora e o cérebro a serviço da ciência.

LA - Enquanto um profissional de saúde, como você vê e entende o terapeuta ocupacional?
Osvandré Lech - Tenho tido contato limitado com os profissionais da T.O. Sei que se trata de um amplo campo de ação na área da reabilitação, mas acho que existe uma sobreposição com a fisioterapia que está atrapalhando as relações de trabalho da T.O. Isto precisa ser resolvido logo.

LA - Na sua visão, como está o mercado de trabalho em sua área?
Osvandré Lech - A área da saúde, como um todo, verga-se aos caprichos da política de arrocho salarial que todos conhecemos. A criação desenfreada de novos cursos superiores trará o que existe na Europa há muito tempo: psicólogas (empregadas) domésticas, advogados verdureiros, médicos taxistas etc. uma estreitíssima fatia de profissionais terá o êxito econômico idealizado. Esta deformação da estratificação social é muito dura para todos nós.

LA - Que linha metodológica você adota em sua abordagem terapêutica? (exemplo em Terapia Ocupacional: Humanista, Positivista, Materialista - Histórico Cognitivo - Comportamental...).
Osvandré Lech - Não sei precisar o que eu mesmo uso, mas a positivista me parece os mais apropriados. Eu não "vendo" uma cirurgia, uma reparação. Na verdade eu "vendo" saúde, harmonia, volta ao lazer e ao prazer de realizar atividades que agora não estão possibilitadas.

LA - Descreva, de forma resumida, a sua metodologia de trabalho.
Osvandré Lech - Bastante paranoico para quem conta com apenas 24hs, como todo o mundo. Eu dirijo 3 entidades (uma em Passo Fundo, uma em POA e uma em SP). A burocracia, portanto, é insana. Atendo pacientes e opero com o maior zelo em Passo Fundo e POA. Desenvolvo mais de 4 pesquisas científicas simultaneamente. Atualmente estou iniciando dois novos livros. Ah, tenho tempo suficiente para me manter informado sobre os principais avanços da minha área, pois vou a mais de um congresso médico por mês.

LA - Como você vê a questão da reabilitação e da reinserção de indivíduos "deficientes" na nossa sociedade? Tem sugestões?
Osvandré Lech - O tema é muito abrangente. Como linha geral, quanto maior é o respeito ao cidadão, maior é a aceitação e a inserção da PD (pessoas deficientes) na sociedade. Ao olhar ao redor, podemos perceber o motivo pelo qual as PD simplesmente inexistem aos nossos olhos - no Brasil, a cidadania é a manhã seguinte. E estamos apenas no meio da noite. Construir vias de acesso para cadeira de rodas parece um deboche para quem conhece as dimensões do problema no Brasil. Sim, a sugestão é FAZER ALGO, já que tem quase nada feito.

LA - Que significado tem para você, enquanto profissional da área da saúde, o lidar direta ou indiretamente com a vida das pessoas?
Osvandré Lech - Brincar de Deus é sempre muito divertido (há, há, há). Falando sério agora, a ortopedia e traumatologia quase não lida "com vidas" das pessoas, pois quando o caso exige cuidados intensivos e risco de vida a gente corre à UTIs, onde os colegas especializados neste assunto têm mais condições de salvar a vida em risco. Quando se fala em vida emocional, daí sim, todos os dias convivemos com pessoas com diversos desvios de personalidade, diversos tipos de ansiedade, dependências, medos etc. É necessário boa dose de entendimento da mecânica emocional para ajudar os pacientes com esta coletânea de carências e outros desvios emocionais. Como disse Caetano Veloso, "de perto ninguém é normal" - isto inclui o ortopedista, naturalmente!

LA - Descreva, de forma resumida, qual a importância de sua profissão em sua vida?
Osvandré Lech - Temo responder que atualmente dou a ela uma importância bem maior do que ela, de fato, mereceria. A profissão me "roubou" oportunidades de ser um melhor marido, pai, amigo até. Como não existem limites definidos de onde se deve parar, o sujeito muito motivado como eu acaba dando uma importância surpreendentemente grande à profissão, o que não é um bom balanço.

LA - Por que você escolheu está profissão?
Osvandré Lech - Honestamente, foi bem por acaso. A Faculdade de Medicina estava iniciando as atividades em Passo Fundo e este era o vestibular "mais difícil". Como geralmente os adolescentes querem "aparecer", acho que este foi o meu caso. Além disso, o meu pai sempre trabalhou na área da saúde (vendedor de remédios) e eu fiquei mais ou menos familiarizado com o meio e a profissão.

LA - Como você entende ou conceitua sua profissão?
Osvandré Lech - Ela possui grande importância social, já que reabilita indivíduos traumatizados ou portadores de deficiências físicas do sistema osteo-articular para que obtenham um melhor desempenho na sociedade.


Obrigado pela oportunidade! (Concedida a Luciana Lunardi de Almeida, estudante de Terapia Ocupacional no IPA - Porto Alegre, jul. 2001)




Veja Também:









































Passo Fundo
Rua Uruguai, 2050
Fone: (54) 3045.2000
Porto Alegre
Rua Leopoldo Bier, 825/401
Fone: (51) 3219.2273
Ortopedista e Traumatologista
Especializado em Membro Superior
Ombro, cotovelo, mão e microcirurgia
© Copyright 2017 www.lech.med.br
Todos os Direitos Reservados
VIPWEB Soluções em Tecnologia