Dr. Osvandré Lech Ortopedista Especializado
Em Membro Superior
Entre em Contato
Dr. Osvandré Lech
Entre em contato
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Porto Alegre
Consultas em Porto Alegre


MENU
ENTREVISTA À REVISTA SALA DE ESPERA

Abaixo estão as perguntas e respostas de uma entrevista concedida por OSVANDRÉ LECH a Revista Sala de Espera. Confira!


SE - Qual é a sua atividade médica ?

OL - Sou médico ortopedista especializado em patologias do membro superior. Nunca exerci a profissão fora deste segmento do sistema músculo-esquelético e pertenço à primeira geração dos chamados "especialistas", estabelecida no início dos anos 80.


SE - Qual foi a sua formação ortopédica ?

OL - A Residência foi feita em Passo Fundo, no IOT e no Hospital São Vicente. Daí passei 2 anos aprendendo cirurgia da mão com Harold Kleinert e equipe, em Louisville, Kentucky, EUA e mais um ano aprendendo cirurgia do ombro com Charles Neer, na Columbia University, Nova Iorque, EUA. Depois disso nunca mais deixei de visitar os bons centros médicos nos 5 continentes.


SE - Como funciona manter consultório em Passo Fundo e Porto Alegre por 15 anos ?

OL - Pois é, aquilo que seria uma "experiência passageira" passou a fazer parte da minha rotina semanal; na segunda e terça em Porto Alegre, e daí em Passo Fundo. Lá existe um centro médico muito energético e a Residência Médica do IOT é a minha "menina dos olhos"; aqui existe uma grande demanda por profissionais bem treinados, além de toda a máquina administrativa da medicina.

Penso que esta atividade mista somente foi possível devido a vários fatores:

1) atender somente pacientes eletivos nos dois locais;

2) possuir Serviços organizados nas duas cidades, onde existe divisão de responsabilidades;

3) senso de organização e ""foco" bem desenvolvido;

4) suporte familiar, pois a Marilise e as crianças compreendem bem o cenário e participam dele.


SE - Mesmo residindo "no interior", a tua participação em diversas entidades médicas tem sido significativa. Como isto funciona ?

OL - Já fui presidente de 4 entidades médicas: a gaúcha de ortopedia, as brasileiras de ombro/cotovelo e cirurgia da mão, e a sul-americana de ombro/cotovelo; atualmente sou 2º secretário da SBOT, que é a nossa organização maior.

Com o fantástico desenvolvimento da comunicação digital nos últimos anos (o fax está aposentado!), a liderança já não precisa ser exercida "de corpo presente", mas através de idéias e concordância entre as partes.


SE - Além de realizar uma ortopedia de bom nível, em que outras áreas estivestes envolvido ?

OL - Em 1986 a LER/DORT/AMERT não tinha denominação e nem era conhecida pelo público médico e leigo; eu fui convidado por um grupo "meio esquerdista" do Sindicato dos Digitadores do RS a falar sobre o assunto em Brasília. Daí surgiu a "tenossinovite" com a legislação inicial, que evoluiu para a atual. O assunto me empolgou tanto, que escrevi 3 livros sobre ele. Em 1988 foi a vez de formar o Comitê de Ombro e Cotovelo da SBOT, junto com outros 23 colegas, alguns gaúchos, como o Wageck, o Rockett, o Schmiedt, e o David. Durante a minha gestão nesta Sociedade, em 1993-94, foi fundada a Sul-Americana, com a participação de todos os países.

A cirurgia do ombro é hoje uma especialidade amplamente reconhecida e prestigiada. O difícil foi no começo...

Um assunto que tem me interessado muito ultimamente é a história das instituições; como ela é bonita e épica, pois os colegas que nos antecederam realizaram grandes conquistas, quase sempre esquecida já na próxima geração. Já fiz dois resgates da história de duas instituições: a gaúcha de ortopedia e a brasileira de ombro.


SE - Como surgiu o gosto pela publicação científica ?

OL - Na adolescência eu preferia escrever uma longa carta ao dar um simples telefonema; também sempre me encantou a história dos grandes nomes da medicina e ciência em geral, que se tornaram imortais porque escreveram os seus achados e teorias. Na verdade, a humanidade somente passou a prosperar quando se fizeram as primeiras inscrições nas paredes das cavernas; passados alguns milênios, a humanidade se comporta de forma idêntica, com a diferença de que em 2001 foram 2 bilhões de páginas escritas...

O "Fundamentos em Cirurgia do Ombro", por exemplo, foi escrito à mão, "em cima do joelho", durante as viagens de ônibus entre as duas cidades.


SE - Em que números andam tais publicações ?

OL- Escrevi cerca de 80 artigos em revistas nacionais e internacionais, e 28 livros e capítulos de livros. Por dois anos consecutivos, o livro de ortopedia mais vendido no pais foi o "Exame Físico em Ortopedia", que escrevi em co-autoria com o Tarcísio E. Barros Fº, da FMUSP. Este ano está muito ativo, pois publiquei em janeiro o "Fraturas", em co-autoria com Carlos Schwartsmann e Marco Teloken, e em abril o "Deformidades Congênitas do Membro Superior", onde sou o editor-convidado, na série "Clínica Ortopédica", dos mineiros Pardini e José Márcio. Em novembro passado foi publicada a 3ª edição do "Sizínio-Xavier", que é o livro-texto de referência nacional em ortopedia, onde tenho 2 capítulos.


SE- E as publicações não-médicas ?

OL - De forma ainda tímida, publicarei em maio o meu terceiro livro, o "Veia de Campeão", que é um resgate histórico dos principais atletas de Passo Fundo em todos os tempos. Em 2001 foi a vez de "Citações, Provérbios e Aforismos", uma coletânea de 3.000 frases inteligentes (somente UMA minha - há, há, há).

Em 1999 homenageie novamente Passo Fundo, com um resgate fotográfico da primeira metade do século passado.


SE - Quais são os próximos projetos na área editorial ?

OL - Como Presidente da Comissão de Educação Continuada da SBOT, estou muito empenhado na produção de 3 LIVROS DE CONDUTAS E 1 CD-ROM DA SBOT, que é um projeto nacional, que conta com a participação de 150 colegas, alguns deles gaúchos. O diferencial é que este projeto iniciou em março e terminará em outubro - uma verdadeira maratona. Tenho pronto um livro que reúne todos os editoriais que escrevi nas diferentes sociedades médicas e outros escritos; é um livro pessoal que mostra muito do meu engajamento nas causas que abracei. Por ser uma peça auto-biográfica, acho muito precoce terminá-lo aos 47 anos; por isso ele ficará no prelo por um bom tempo.

Já estou reunindo material e colaboradores para a 2ª edição do "Fundamentos em Cirurgia do Ombro", o primeiro livro da especialidade no país, publicado em 1994.


SE - Dá para misturar atividade profissional com produção editorial ?

OL - Pôr não dar um retorno financeiro proporcional ao esforço dispendido, vejo esta atividade como um "hobby" dos mais prazerosos, permitindo-se comparar o nosso cérebro ao guarda-chuva, que só funciona bem enquando aberto!





Veja Também:









































Passo Fundo
Rua Uruguai, 2050
Fone: (54) 3045.2000
Porto Alegre
Rua Leopoldo Bier, 825/401
Fone: (51) 3219.2273
Ortopedista e Traumatologista
Especializado em Membro Superior
Ombro, cotovelo, mão e microcirurgia
© Copyright 2017 www.lech.med.br
Todos os Direitos Reservados
VIPWEB Soluções em Tecnologia