Dr. Osvandré Lech Ortopedista Especializado
Em Membro Superior
Entre em Contato
Dr. Osvandré Lech
Entre em contato
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Porto Alegre
Consultas em Porto Alegre


MENU
OPERAÇÃO ORTOPÉDICA EM IDOSO EXIGE AVALIAÇÃO DE RISCOS

O crescente número de idosos que sofrem fraturas, as quais tornam urgente uma solução cirúrgica, levou a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia a publicar um alerta sobre a necessidade de uma avaliação correta de riscos antes de por o idoso numa mesa cirúrgica.

O documento, assinado pelo professor Luiz Eugenio Garcez Leme, geriatra do Departamento de Ortopedia da USP, alerta que é cada vez mais frequente a chegada aos hospitais de idosos que sofreram fraturas decorrentes de osteoporose ou de traumas, como acidentes automobilísticos, e que precisam de cirurgias ortopédicas de grande porte.

Para reduzir os riscos inclusive de morte na primeira semana após a operação, período crítico, o especialista diz que é vital avaliar a capacidade física do paciente, sua condição cardíaca e se valer da atenção coordenada da equipe clínica/geriátrica, ortopédica, anestésica, intensivista, entre outras, pois o atendimento do idoso que necessita de uma operação é necessariamente multidisciplinar.

O artigo que se constitui numa revisão sobre o tema foi incluído no último número da Revista Brasileira de Ortopedia e o presidente da Sociedade que congrega os ortopedistas, Osvandré Lech, lembra que operações complexas em idosos deixaram de ser uma eventualidade para se tornar rotina no Brasil, "à medida em que a melhoria das condições econômicas da população e o avanço da Medicina passou a se refletir na expectativa de vida, que se prolonga cada vez mais".

Osvandré insiste, porém, que o ideal não é apenas prolongar a vida, mas conseguir que os anos a mais que cada pessoa pode viver sejam usufruídos com grande qualidade de vida, e isso é missão dos médicos.

No trabalho recém-publicado, a equipe de autores que, além do professor Garcez inclui Maria do Carmo Sittas, Manuella Toledo e Simone da Silva Henriques, afirma que não é possível eliminar totalmente o risco de uma cirurgia, principalmente numa pessoa de mais idade, mas a correta avaliação antes da intervenção evita que "se atire no escuro", diminui o risco e aumenta a possibilidade de sobrevida.

As escalas de avaliação de risco que integram o artigo funcionam como verdadeiro "vade mecum" para o cirurgião, principalmente a Escala da ‘American Society of Anesthesiology'.

Entre os riscos listados, há os da pele, por exemplo, relacionado à capacidade de cicatrização do idoso, o risco geral, de sensibilidade maior que a esperada em relação à toxicidade de drogas, o risco cardíaco, centrado na hipotensão e distúrbios de condução, o risco pulmonar, que envolve a possibilidade de infecções como a pneumonia, o risco renal, pois pode haver insuficiência renal mascarada e o risco endócrino, de que é exemplo e hiperglicemia de sobrecarga e até o mesmo o risco de retenção urinária por hiperplasia da próstata, muito comum em homens idosos.

As complicações mortais mais frequentes no pós-operatório, entretanto, são de origem cardíaca, infarto do miocárdio, descompensação de insuficiência cardíaca, alterações de pressão e arritmias e por isso os autores incluíram no trabalho a "Escala de Detsky", modificada, que permite uma avaliação cardíaca baseado na história clínica e no eletrocardiograma.




Veja Também:









































Passo Fundo
Rua Uruguai, 2050
Fone: (54) 3045.2000
Porto Alegre
Rua Leopoldo Bier, 825/401
Fone: (51) 3219.2273
Ortopedista e Traumatologista
Especializado em Membro Superior
Ombro, cotovelo, mão e microcirurgia
© Copyright 2017 www.lech.med.br
Todos os Direitos Reservados
VIPWEB Soluções em Tecnologia