Dr. Osvandré Lech Ortopedista Especializado
Em Membro Superior
Entre em Contato
Dr. Osvandré Lech
Entre em contato
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Porto Alegre
Consultas em Porto Alegre


MENU
25% DOS IDOSOS QUE FRATURAM O FÊMUR MORREM EM MENOS DE UM ANO

Preocupada com o alto índice de mortalidade dos idosos que sofrem fratura do fêmur proximal (25% falecem menos de um ano após a fratura), especialistas da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia fizeram uma pesquisa que, pela primeira vez, fornece dados estatísticos sobre o problema, que aumenta à medida em que a população brasileira envelhece.

"Dos 153 pacientes acompanhados, 38 faleceram menos de um ano após a cirurgia e 13,7% ficaram totalmente dependentes depois de operados, o que significa perda significativa de qualidade de vida, e outros 19,6% ficaram parcialmente dependentes", explica o professor Marco Antonio Castro Veado, da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais o qual, juntamente com Ulisses Cunha, assina o trabalho científico.

Os pesquisadores comprovaram que a grande maioria dos pacientes sofre a fratura em casa, no trajeto noturno entre o quarto e o banheiro, ao perderem o equilíbrio por estarem de meia, que escorrega no piso, por causa de tapetes que deslizam e por ausência de "vaga-lume", a lâmpada junto ao rodapé, que ilumina o piso junto à cama.

"Além dessas causas comprovadas, verificamos que uma grande percentagem dos fraturados, 80%, faziam uso de uma ou mais drogas potencialmente causadoras de quedas em idosos, anti-hipertensivos, benzodiazepínicos e antidepressivos que podem causar alguma tontura.


MUSCULAÇÃO E CIRURGIA RÁPIDA

Para reduzir os efeitos desse problema que já é de Saúde Pública, os pesquisadores recomendam a cirurgia precoce, o mais cedo possível após o acidente, o que não ocorre, pois em média os pacientes foram operados mais de quatro dias após a fratura, o que pressupõe que, feridos, ficaram se debilitando na cama, chegando à mesa de operações já enfraquecidos.

A outra recomendação, que já consta de outros trabalhos da SBOT, conforme lembra o presidente da entidade, Osvandré Lech, é que o idoso seja orientado não só a exercitar-se caminhando, mas principalmente que faça musculação, levantando pesos para reforçar a musculatura dos membros, é claro que usando pesos adequados à sua capacidade.

Os médicos comprovaram também que a maioria dos pacientes corresponde a mulheres, pois a osteoporose que enfraquece os ossos as acomete mais, após a menopausa, que a idade média dos pacientes é de 79 anos e recomendam insistentemente que após a cirurgia o paciente passe a se exercitar, a tomar sol e seja levado a recuperar a confiança, pois a pesquisa mostrou que em muitos casos após a fratura de um fêmur, pouco depois há fratura do outro, o que significa ou que não foi administrada a medicação para reforçar os ossos ou não foi seguido um programa de fortalecimento muscular adequado.

A pesquisa foi feita no Hospital Governador Israel Pinheiro, em Belo Horizonte, iniciada com 190 pacientes, principalmente funcionários públicos aposentados, mas quatro morreram imediatamente após a operação e a área de Geriatria do hospital, que participou da pesquisa, perdeu contato com outros 33, por isso a pesquisa só levou em conta os dados de 153 pacientes acompanhados a longo prazo.




Veja Também:









































Passo Fundo
Rua Uruguai, 2050
Fone: (54) 3045.2000
Porto Alegre
Rua Leopoldo Bier, 825/401
Fone: (51) 3219.2273
Ortopedista e Traumatologista
Especializado em Membro Superior
Ombro, cotovelo, mão e microcirurgia
© Copyright 2017 www.lech.med.br
Todos os Direitos Reservados
VIPWEB Soluções em Tecnologia