Dr. Osvandré Lech Ortopedista Especializado
Em Membro Superior
Entre em Contato
Dr. Osvandré Lech
Entre em contato
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Porto Alegre
Consultas em Porto Alegre


MENU
A PROPÓSITO DO NÚMERO DE AUTORES NOS ARTIGOS DA REVISTA AMRIGS

A revista AMRIGS, publicação oficial da Associação Médica do Rio Grande do Sul, é a principal porta-voz da qualidade médica desenvolvida no Estado. Nela, através de várias seções, são relatadas as experiências e conclusões científicas individuais e de serviços médicos.

Anos após, com diferentes Conselhos Editoriais, a Revista da AMRIGS tem buscado o aprimoramento dentro desta difícil área de publicação médica. O fluxograma dos artigos submetidos à publicação, que se insere junto às instruções aos autores, é um dos exemplos de seriedade e busca constante de perfeição. Desnecessário dizer, a Revista da AMRIGS é um modelo a ser seguido por outras Associações Médicas do Brasil. um aspecto, no entanto, me chama a atenção: o número excessivo de autores em alguns artigos originais e de revisão. São comuns os artigos em que constam 7,8 e até 9 autores. Serão todos estes autores absolutamente essenciais para o desenvolvimento e conclusão do artigo? Terá havido uma participação efetiva de todos os autores em todas as etapas do artigo? Qual o critério utilizado pelo mentor do artigo na dinâmica do trabalho? Cada um dos autores conheceria os dados citados no artigo que ele próprio assina?

Este não é um fenômeno local. Burman (1) avaliou o número de autores/artigos do The New England Journal: em 1930 era de 1,2, em 1969 era de 3,8 e em 1979 era de 5,2. Achados similares foram encontrados no Annals of internal Medicine. O Journal of Bone ans Joint Surgery, edição americana de 1989, apresenta números inflacionários de 2 artigos com 11 autores cada.

De acordo com Relman (2), o autor é o indivíduo que participou ativamente da concepção, desenvolviemnto, análise e interpretação dos resultados de um trabalho; ele cita que o uso da co-autoria como forma de pagamento à assistência técnica na coleta de dados, bem como a inclusão do chefe do serviço em todos os trabalhos, independentemente da sua participação, é uma grave violação do princípio ético.

Hewitt (3) afirma que o leitor de um artigo assinado por 2 ou mais autores, tem o direito de presumir que cada autor., individualmente, tem conhecimento do assunto, contribuiu igualmente na investigação e é responsável pela interpretação e descrição dos achados.

Huth (4) sugeriu as seguintes linhas gerais para um autor: 1) ter participado do planejamento inicial do estudo; 2) ter realizado observações e obtido dados através de interpretação própria; 4) ter discutido e concordado com todos os dados, antes que o artigo seja enviado para publicação. Baseados na observação do que o envolvimento dos autores com o trabalho científico não aumenta proporcionalmente com o número de participantes, os conselhos editoriais de alguns periódicos alteraram as instruções ao autores. O Journal of Bone and Joit Sugery, edição inglesa e americana, recomenda um número de até 6 autores por artigo. A edição americana vai além: Cowell (5) recomenda que, em caso de mais de 6 autores, seja enviada correspondência relatando o tipo de trabalho que cada autor realizou; se não for relevante, o nome do(s) autor(es) deve ser creditado na nota ao pé da página. Além disso, é solicitada aos autores uma carta (letter of transmittal) confirmando que leram e aprovaram o manuscrito final.

O assunto é, sem dúvida, polemico. Qual o número ideal de autores? Qual a opinião do Conselho Editorial da Revista da AMRIGS? Qualquer que seja a resposta, o objetivo deste comentário é aumentar cada vez mais a credibilidade da nossa revista e influenciar no aprimoramento das técnicas de confecção de um artigo científico.

Afinal, através da qualidade da documentação científica, pode-se avaliar a qualidade da medicina de um determinado local. Façamo-la, pois, da melhor maneira possível. (Rev AMRIGS, Porto Alegre, 36 (2): 125-126, abr/mai/jun, 1992).




Veja Também:









































Passo Fundo
Rua Uruguai, 2050
Fone: (54) 3045.2000
Porto Alegre
Rua Leopoldo Bier, 825/401
Fone: (51) 3219.2273
Ortopedista e Traumatologista
Especializado em Membro Superior
Ombro, cotovelo, mão e microcirurgia
© Copyright 2017 www.lech.med.br
Todos os Direitos Reservados
VIPWEB Soluções em Tecnologia