Dr. Osvandré Lech Ortopedista Especializado
Em Membro Superior
Entre em Contato
Dr. Osvandré Lech
Entre em contato
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Porto Alegre
Consultas em Porto Alegre


MENU
AINDA É POSSÍVEL MANTER O CONSULTÓRIO?

O entrevistado desta edição é o Dr. Osvandré Lech, gaúcho de Passo Fundo, colega conhecido no meio ortopédico brasileiro, os contrastes que o caracterizam são, no mínimo, interessantes:

É chefe da Residência Médica no mesmo serviço que chegou a pensar em desligá-lo quando era R2. Suas conferências são ouvidas com interesse nos grandes centros, embora resida numa cidade de 160 mil habitantes, onde pousam apenas dois aviões por dia. Realizou 3 Fellowships nos EUA (ortopedia, mão e microcirurgia, ombro e cotovelo) e antes disso fez toda a formação apenas em Passo Fundo. A impressão inicial é de um show-man, mas o convívio demonstra que se trata de colega legal e sempre disposto a ajudar e ouvir. Divide a semana de trabalho em Passo Fundo e Porto Alegre - em ambas as cidades atende do favelado à elite social, e 60% dos ortopedistas; possui apenas 12 anos de carreira científica, mas já escreveu muito (40 artigos, 05 capítulos, 03 livros). "Fundamentos em Cirurgia do Ombro" já esgotou a primeira edição de 9.000 volumes.

Possui idéias firmes como: necessidade de maior atenção à pesquisa ortopédica básica, incentivo à publicação de trabalhos multicêntricos ("trabalhamos em ilhas no Brasil"), incentivo a citação dos autores nacionais ("Realizamos autofagia nacional e promovemos o desconhecido autor nacional"), crítico severo aos autores que apresentam resultados próximos à perfeição ("É raro publicar qualquer índice abaixo de 90% de excelentes resultados no Brasil"). Foi durante o primeiro Congresso Brasileiro de Cirurgia do Ombro e Cotovelo, realizado em São Paulo em Maio passado, que conversamos com o colega Osvandré Lech.


Jornal da SBOT: Nos dias de hoje a clínica particular diminuiu significativamente em todos os setores da medicina. como consegue manter a clínica privada?

Dr. Osvandré Lech: Dois fatos devem ser lembrados:

1) Se conselho fosse bom não seria gratuito...;

2) Um dogma da psicologia ensina que as idéias sobre como agir devem ser auto-construções feitas a partir das próprias experiências. Se alguém te sugere o que fazer e tu adotas imediatamente aquela idéias, estarás agindo sem investir o teu sentimento e a tua percepção, sendo, portanto, inautêntico. Quero dizer com isto que no processo de aprendizado, a experiência pessoal é muito importante. Vou resumir esta resposta, que é muito ampla, numa série de "pontos essenciais".

Não menospreze a inteligência do paciente privado - ele percebe quando está sendo enganado (cobrança excessiva, tratamento desnecessário, ou insegurança do médico); o início da carreira deve ser suave, quase imperceptível, já que os teus colegas estabelecidos não pensam em "perder o mercado". Consultório ou clínica com mobília nova e "tecnologia de última geração" é pura enrolação! O paciente quer ver resultados e para tal só tem um caminho: estudar todos os dias, ir a alguns congressos (não muitos!), reciclagem profissional em bons centros médicos (30 dias a cada 1-2 anos é suficiente). Faço isto desde que conclui a residência e tem sido a chave do meu sucesso científico; manter-se atualizado em Ortopedia exige muito esforço. Ler muito sobre temas de psicologia, gestão pessoal, é otimismo, já que os pacientes querem ver no médico a figura da pessoa feliz e capaz de resolver o seu problema: "Availability, Amability, Ability" (disponibilidade, amabilidade e habilidade - nesta ordem) - palavras de ouro que aprendi com Harold Kleinert, cirurgião da mão , americano, logo que iniciei os estudos no EUA em 1982; boa apresentação pessoal, boas maneiras, e comunicabilidade interpessoal são requisitos necessários para o sucesso em grupo, e o grupo optou por sub-especialidades, RESPEITE O COMBINADO. Mesmo que o "entorsezinho" seja o milionário do teu vizinho... encaminhe o caso ao colega da especialidade dai poderás exigir os casos da tua especialidade. Convém lembrar que o ortopedista "amplo, geral e irrestrito" acabou na década de 80. É impossível "saber tudo". Os pacientes já estão orientados sobre isto. Jamais critique (mau) tratamento anterior a que o paciente foi submetido. Seja discreto. Evite polêmicas e angústia adicional do paciente - isto não vai melhorar as coisas. Não faça inimigos no meio médico. Felizmente aqui no sul do país já vai longe o tempo em que o professor famoso dizia irado em frente ao paciente: "Este RX tá uma merda! Quem fez isto?" para com esta idiotice de dizer que "eu só tenho excelentes resultados" . Ou estás mentindo ou não trabalhas. Os teus colegas percebem este mecanismo de defesa e acabas caindo em descrédito científico. Procurar uma área economicamente estável para trabalhar. Este país está cheio de oportunidades e nós devemos entender de "fluxo de capitais". Comunique-se com os colegas que te encaminham pacientes. Use o telefone ou carta. Eles esperam o teu retorno, ou mesmo o paciente de volta logo após a conclusão do tratamento. Eu uso o método americano, escrevendo 10-15 cartas por semana, já que não gosto de interromper o colega com telefonemas.


JS: Quanto ao tempo um ortopedista recém formado leva para formar clínica estável?

OL: não se afobe. Ninguém se estabelece no mercado médico em menos de dez anos , seja qual for o tamanho da cidade. Necessitamos de algo muito difícil de ser conquistado - credibilidade e notoriedade. Convém lembrar que médico não é como jogador de futebol. Nós temos muitos anos de carreira pela frente.


JS: É importante manter a atividade hospitalar em entidade filantrópica ou no SUS?

OL: Não se negue a atender aos menos favorecidos. População pobre vai existir sempre. Atos de caridade ou boa vontade jamais competirão com a clínica privada. É importante mantermos uma atitude de cordialidade junto à opinião pública. Conheço uma geração inteira de colegas "que só atendiam particular" na década de 80 os tempos mudaram e eles acabaram retornando ao "caldeirão".


JS: Os trabalhos que publica são baseados em casuística de clínica particular ou hospital universitário?

OL: A minha grande casuística está ainda por ser escrita. São milhares de casos de cirurgia de membro superior (mão, microcirurgia, cotovelo e ombro). A organização ainda não é ideal. Os casos vêm de clínica privada apenas (Perto Alegre) e mista (Passo Fundo). O Gilberto Camanho conheceu com detalhes a organização do nosso serviço em Passo Fundo> lá convivemos com "as duas pontas do iceberg". (Atendemos 150 pacientes/dia - 75% SUS, 15-20% convênio AMB, 5-10% particulares).


JS: O ortopedista brasileiro de bom nível ganha mais ou menos que o do primeiro mundo?

OL: O ortopedista brasileiro de médio e bom nível ganha muito bem e faz que não sabe. Na Bélgica o I.R. chega a 60%, no Japão 70% dos colegas são "assalariados universitários" com US$ 5 a 7 mil por mês, a Europa e Canadá imersos na "medicina socializada". O colega americano ganha em média US$ 150-400 mil ao ano; (em universidades é a metade). O nosso problema é achar que todo americano ganha como o James Andrews, Insal, Neer, Haris, Michael Jackson, Júlia Roberts...
- E se frustra se não ganha igual! (há, há, há).


JS: Há casos de processos contra ortopedistas em clínica particular com a tua?

OL: Não tenho dados estatísticos corretos, mas presumo que 80% dos processo por erro médico contra ortopedistas ocorrem entre os pacientes do SUS. Segundo o DR. Marco Mattos, hábil advogado especializado em leis da área da saúde que atua em Passo Fundo, a assistência jurídica gratuita contribuiu para isto. Segundo o Dr. Mattos acompanha trinta processos de erros médicos, dos quais oito já concluíram. Destes, em nenhum caso houve condenação médica, ficando comprovada a atitude correta adotada pelos colegas durante a atividade profissional. eu tenho um processo contra mim em andamento; a origem é conhecida: resultado insatisfatório.


JS: Costuma-se dizer que hoje o paciente particular é o desavisado ou pequeno comerciante , já que grandes empresários ou profissionais liberais, têm SEMPRE o seu convênios. Como você faz para atendê-los?

OL: Procuro não manter convênio com a maioria das empresas de medicina de grupo (a revista Veja da primeira semana de maio mostra na capa a "Medicina cara". Lá a gente vê para onde vai o lucro). A livre negociação de honorários deve ser mantida com o paciente, e cabe a ele buscar ressarcimento no plano de saúde. Todos os ortopedistas de Passo Fundo se reuniram em torno da "Coopertrauma", partir da afirmação óbvia de que "a união faz a forço". Estamos rediscutindo os valores das tabelas com os nossos "pagadores". É impressionante a fragilidade das nossas relações de trabalho: somo autônomos , mas nos obrigam a atender. Os preços são impostos ou desatualizados sem qualquer discussão. Volte e meia o SUS decide "cortar 25% da fatura" e não manda nem explicação. Convênios atrasam sem o pagamento e fica por isto mesmo. Ô meu, voltou a época da senzala!


JS: Impressões pessoais sobre a Central de Convênios da SBOT e sugestões para o movimento:

OL: Sou um grande entusiasta da Central de Convênios da SBOT. Precisamos ter força política suficiente para impor os nosso valores profissionais, sem abusar. A questão é que órgãos fiscalizadores do governo já mostraram a sua truculência, como no caso da suspensão da nossa tabela AMB. A briga promete ser ferrenha, e devemos estar preparados para tal. A união e a posição forte da nossa classe precisa falar mais alto.



(Jornal da SBOT, Ano 2, Nº 3, JUL/AGO, 1996)




Veja Também:









































Passo Fundo
Rua Uruguai, 2050
Fone: (54) 3045.2000
Porto Alegre
Rua Leopoldo Bier, 825/401
Fone: (51) 3219.2273
Ortopedista e Traumatologista
Especializado em Membro Superior
Ombro, cotovelo, mão e microcirurgia
© Copyright 2017 www.lech.med.br
Todos os Direitos Reservados
VIPWEB Soluções em Tecnologia