Dr. Osvandré Lech Ortopedista Especializado
Em Membro Superior
Entre em Contato
Dr. Osvandré Lech
Entre em contato
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Porto Alegre
Consultas em Porto Alegre


MENU
Exercício físico retarda o envelhecimento
Ortopedistas recomendam que idosos comecem a se exercitar no carnaval

A Sociedade Brasileira de Ortopedia está alertando os idosos sedentários a aproveitarem os feriados do Carnaval para iniciarem um programa moderados de exercícios físicos e não apenas de caminhada, mas de musculação, levantando pesos.

"A recomendação é válida para todos os idosos saudáveis, isto é, para quem tem mais de 60 e vale até para quem tem mais de 90 anos e mesmo nessas idades avançadas, em três semanas o exercício começa a melhorar a qualidade de vida do idoso", afirma André Pedrinelli, do Laboratório do Estudo do Movimento, do grupo de medicina do esporte do Hospital das Clínicas.

O grupo de médicos que Pedrinelli integra acaba de fazer a consolidação de dezenas de pesquisas sobre o exercício do idoso, que vai se constituir em capítulos de um livro editado pela Sociedade de Ortopedia, um resumo de todo o conhecimento sobre o benefício do exercício físico na terceira idade.

O próprio Pedrinelli participou de uma pesquisa com corredores de até 80 anos e garante que "a única droga que retarda o processo de envelhecimento é o exercício muscular", já que a Medicina comprovou que o envelhecimento biológico e a falta de uso dos músculos evoluem de forma paralela.


Perda de 1% ao ano

O presidente da SBOT, Osvandré Lech, confirma que o idoso deve fazer musculação e explica que a partir dos 30 anos o organismo começa a perder tecido muscular num ritmo de 1% ao ano. Além disso, o envelhecimento biológico inclui a morte programada das células, o faz com que os tecidos percam água e não a recuperem.

Essa perda de água faz com que as cartilagens da coluna se tornem menos espessas, "encolham", explica Pedrinelli, mesmo processo que leva ao enrugamento da pele, à perda da musculatura, ao enrijecimento dos tendões.

Há perda de força também por causa da redução da bainha de mielina que recobre os neurônios, e que se reduz com a idade, afetando a condução neurológica e fazendo com que haja perda de equilíbrio. É por isso que um idoso tem dificuldade para se levantar de uma cadeira, por exemplo, passa a usar os braços como elemento adicional de força e equilíbrio e tem mais facilidade para abrir uma porta com maçaneta em L do que uma maçaneta redonda.

"Esse é o problema", afirma o médico, "mas a boa notícia é que as caminhadas, aliadas a um programa de musculação melhoram a força, o que resulta em melhora do equilíbrio". Além disso, garante, "o exercício leva o idoso a dormir melhor, há melhora no funcionamento do intestino, a pressão arterial baixa, o batimento cardíaco se reduz e, extremamente importante, o exercício com pesos faz com que os ossos ganhem consistência".

A preocupação com os ossos se explica, porque um osso mais forte é menos suscetível à fratura do colo do fêmur, problema típico do idoso e ainda muito grave, pois estatisticamente resulta em 30% de mortes.

Mesmo os idosos com problemas, seja de hérnia de disco, de angina instável, de artrose avançada do joelho devem se exercitar, diz o ortopedista, mas nesses casos devem antes procurar o médico, que recomendará exercícios que não agravem sua patologia. A recomendação da SBOT é a mesma do "Colégio Americano de Medicina do Esporte", exercício moderado pelo menos três vezes por semana, com duração de pelo menos 30 minutos. "E vale tudo", diz Pedrinelli, subir a escada do apartamento, passear com o cachorro caminhando de forma enérgica e, sobretudo, musculação na academia.

A consolidação dos conhecimentos sobre envelhecimento e benefício do exercício para o idoso é um trabalho coletivo, conclui Pedrinelli, que o assina juntamente com Luiz Eugênio Garcez-Leme, do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da USP e com Ricardo do serro Azul Nobre, do Grupo de Medicina do Esporte da Faculdade de Medicina da USP.




Veja Também:






















Passo Fundo
Rua Uruguai, 2050
Fone: (54) 3045.2000
Porto Alegre
Rua Leopoldo Bier, 825/401
Fone: (51) 3219.2273
Ortopedista e Traumatologista
Especializado em Membro Superior
Ombro, cotovelo, mão e microcirurgia
© Copyright 2017 www.lech.med.br
Todos os Direitos Reservados
VIPWEB Soluções em Tecnologia