Dr. Osvandré Lech Ortopedista Especializado
Em Membro Superior
Entre em Contato
Dr. Osvandré Lech
Entre em contato
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Passo Fundo
Consultas em Porto Alegre
Consultas em Porto Alegre


MENU
Escolha de tratamento é prerrogativa do médico, garante novo presidente dos ortopedistas

O ortopedista Osvandré Lech, gaúcho de Passo Fundo, 54 anos, assume hoje (dia 13) a presidência da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, que congrega 10 mil especialistas brasileiros, linha de frente no atendimento às vítimas de acidentes e violência com politraumatismo, ocorrências das quais o Brasil tem uma das mais altas taxas do mundo.

Osvandré toma posse às 18 horas, no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, durante o 42º Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia, com a promessa de defender o médico contra "o crescente desrespeito a um dos valores do código de ética médica", a liberdade de escolha do tratamento.

Para o novo presidente dos ortopedistas, é alarmante o número de vezes em que um especialista decide adotar determinado procedimento como o implante de uma prótese para recuperar adequadamente seu paciente e tem o pedido negado, seja por normatizações cada vez mais restritas que impedem o médico de escolher o material que deseja usar, seja por motivos econômicos, pelos convênios de saúde.

"Nosso compromisso é com o paciente", insiste o ortopedista, e se o tratamento não produzir o resultado esperado, o responsável será o médico e não o SUS ou o convênio. Ele lembra que graças à pesquisa, brasileira inclusive, os recursos e as armas da Medicina para resolver os problemas ortopédicos crescem constantemente, "mas esse progresso tem custo, que por vezes quem paga o serviço não está disposto a bancar estes avanços, e cabe ao ortopedista realizar tratamentos "sub-ótimos", diz ele.

Além da valorização profissional, Osvandré, que sucede ao paulista Cláudio Santilli no cargo, pretende que sua gestão aumente a visibilidade das ações da SBOT perante os próprios ortopedistas e a população em geral. A especialidade evolui com tamanha rapidez e o especialista precisa se atualizar constantemente; isto é uma da principais funções da entidade com os cursos de educação continuada. Maior visibilidade do trabalho dos ortopedistas perante a sociedade, com a qual vai se aliar na prevenção dos problemas ortopédicos, pois vê tanto o uso de mochilas pesadas demais pelas crianças que vão à escola, passando pela falta de segurança no trânsito e chegando aos efeitos da violência, como "o problema prevenível que é mais caro para o País, pois resulta da falta de prevenção a legião de aleijados que não podem trabalhar e representam custo para a sociedade, além do problema social e do sofrimento que causa". "Existe muito para ser feito para que a nossa sociedade viva mais e melhor", comenta Osvandré.


Humanista

A preocupação com o sofrimento do paciente é decorrência da formação humanista de Osvandré. Além de sua contribuição científica à Ortopedia, mais de 100 artigos em revistas especializadas, dos 60 livros didáticos que escreveu ou dos quais participou e das mil conferências nos cinco continentes, ele ainda esta semana está lançando mais um livro não médico, feito em co-autoria com sua mulher, a psicóloga e educadora Marilise Lech.

Dentro da linha humanista que defende a proximidade do médico enquanto pessoa do seu paciente, Osvandré é um dos cirurgiões da área que, mesmo após se tornar um "expert", faz questão de continuar a operar pelo SUS, atendendo a pacientes mais necessitados.

Especializado na Universidade de Columbia, em Nova York, e de Louisville, no Kentucky, dedica-se à cirurgia do ombro, da mão, e à micro-cirurgia. Fundador e presidente da Sociedade Brasileira de Ombro, presidiu a Sociedade de Cirurgia da Mão, a Sociedade Gaúcha de Ortopedia e, na SBOT desde 1982, participou de várias Diretorias, organizou o congresso nacional de 2008, realizado no Rio Grande do Sul e há dois anos é vice-presidente da SBOT.

Ele se orgulha de ser médico de uma cidade do Interior e não de uma Capital a presidir a Sociedade de Ortopedia e diz que essa origem faz com que tenha uma visão muito clara das dificuldades do profissional. "O Brasil tem uma das Ortopedias mais versáteis e avançadas do mundo", garante, "mas muitas vezes a pressão econômica impede que o médico tenha acesso ao melhor equipamento, aos implantes mais avançados", o que levou ao axioma que se popularizou na profissão, "não se opera bem com garfo e faca", que ele repete sempre que se refere à necessidade de reequipar e reequipar bem os hospitais brasileiros.




Veja Também:






















Passo Fundo
Rua Uruguai, 2050
Fone: (54) 3045.2000
Porto Alegre
Rua Leopoldo Bier, 825/401
Fone: (51) 3219.2273
Ortopedista e Traumatologista
Especializado em Membro Superior
Ombro, cotovelo, mão e microcirurgia
© Copyright 2018 www.lech.med.br
Todos os Direitos Reservados
VIPWEB Soluções em Tecnologia